Fotos-Videos

30/07/2005

3ª Trilha do Peixe - Balneário Arroio do Silva/SC

No dia 30 de julho 2005, junto a 14ª Festa do Peixe, o jipe clube Puralama realizou no Balneário Arroio do Silva, SC a III Trilha do Peixe.

A 3ª Trilha do Peixe foi mais uma atração para quem desfruta da tradicional Festa do Peixe no Balneário Arroio do Silva. Aconteceu a convite da Prefeitura Municipal do balneário e teve diversas atrações, tainha, exposição de carros antigos, competição de som automotor, show com bandas e claro, a trilha.
O Jeep Clube organizador da trilha é de Araranguá, SC e leva o nome de Puralama. É composto por 40 sócios, onde a diretoria é formada pelo presidente Carlos Alberto Pereira, Carlinhos, o secretário e tesoureiro Alyson Munari Damiani e por quatro diretores de trilha: Rodrigo Freitas, Murilo Sá, Iverton Perdona e Jefferson do Canto. Ainda sem sede própria, o clube fundado em 06 de julho de 2000 está a procura de um lugar para montá-la.
A 3ª Trilha do Peixe foi quase toda elaborada no mês de julho pela diretoria do clube e com a ajuda do jipeiro Marcos Otávio Cardoso, o Marquinhos. O grupo já imaginava o que queriam para o trajeto e com as dicas do Rodrigo que já havia realizado um Raid de moto por lá, ficou bastante fácil. Logo os 40 km de trilha já estavam prontos com diversos obstáculos como valos, dunas e muita turfa, onde se pôde testar a perícia dos participantes.
Segundo Alyson, num evento desta magnitude, o mais complicado é a busca por patrocinadores e autorizações para passar por terrenos de propriedade particular. A prefeitura da cidade ajudou muito o grupo organizador conseguindo as autorizações e também com patrocínio ao evento (ela deu 100 dos troféus de participação).
A expectativa do clube para a trilha era muito boa. Na semana que antecedeu o evento eles receberam muitos e-mails e telefonemas de pessoas interessadas em saber detalhes sobre a trilha. Esperava-se em torno de cem jipes, o que a organização já julgava excelente. "Não importava quantos iriam aparecer, mas a qualidade das pessoas que viriam. Em uma trilha tudo pode acontecer e deve se estar preparado para se sujar, ficar com fome, frio, calor, cansado mesmo sabendo que a trilha só está na metade".
Superando todas as expectativas da organização, compareceram 122 participantes e somados à organização, apoio, limpa trilhas havia 400 pessoas no local. Na ensolarada manhã do sábado, 30 de julho, por volta das 10 horas o grupo se preparou para recepcionar os participantes, que chegariam à Igreja Nossa Senhora dos Navegantes no Balneário Arroio do Silva por volta das 11 horas. No local, se realizava a festa do Peixe. Aos poucos então, os jipeiros foram aparecendo com seus jipes willys, trollers, rural, gaiolas, Lada, Sukuzi.
O Horário de saída da trilha, marcado para as 14 horas, atrasou, pois alguns participantes chegaram com pouca antecedência e a inscrição e preparação do jipe leva algum tempo. "Chegar cedo, além de contribuir com a organização é uma oportunidade conversar com os amigos, trocar informações, conhecer os participantes," sugere Alyson. A trilha então, teve início as 14:30 horas e saiu em direção ao Prefeito Municipal que entregou os troféus de participação e agradeceu a presença de todos.
A trilha, bem extensa, foi preparada para que não tivesse nenhum trecho onde pudesse travar a fila de jeeps. Estava muito boa, apesar de pequenos imprevistos - alguns jeeps atolaram. "Chegamos num ponto onde encontramos cinco jeeps atolados, três estavam nas dunas e dois num trecho de turfa, não foi nada fácil tirá-los, mas depois de uns puxões todos estavam de volta a trilha." Os organizadores não esperavam tantos jipes atolados, pois a trilha foi feita para ser média, sem muitas dificuldades.
Em sua avaliação, Alyson diz que seria interessante se eles tivessem feito a trilha de forma inversa, ou seja, começado pelo fim, pois assim os participantes passariam ainda na parte da tarde pelos lugares mais difíceis e os aproveitariam mais. A Trilha do Peixe contou com uma grande parte de seu trajeto pelo litoral, passando por dunas e pela primeira vez usou o GPS. "Conheci como este aparelho funciona. Foi muito bom pois possibilitou que fizéssemos um mapa totalmente correto sobre como seria a trilha e o distribuímos para todos os participantes."
O custo de um evento assim, é bastante alto, em torno de R$ 7.000,00, pois envolve um kit entregue na inscrição, com camiseta, vale janta ou almoço e um troféu de participação, além de outros gastos com combustível, publicidade, material para marcar a trilha e possíveis prejuízos com destruição de cercas e plantações, fora do roteiro pré estabelecido pela organização. Mesmo com patrocínio, o jipe clube dificilmente tem lucros quando organiza uma trilha. O que vale mesmo é a diversão.
Não é fácil encontrar patrocinadores para este tipo de evento, sendo assim os patrocinadores costumam ser postos de combustível onde os organizadores são clientes e alguns comércios. Este ano A Trilha do Peixe teve a colaboração da Recapadora Irmãos da Estrada, Posto Irmão da Estrada, Retifica Teixeira, Banco Santander, Madeireira Farias, Tratasul e a Prefeitura Municipal do Balneário Arroio do Silva
Em uma trilha de jipe, o perfil dos aventureiros são sempre muito diversos. Participam médicos, advogados, mecânicos, vendedores, dentistas, empresários, estudantes e todos estes buscam no esporte uma forma de aproveitar a vida de um modo diferente, querem eliminar o "stress" de uma semana agitada. Na avaliação de Alyson, o único fator negativo dessa mistura é que, as vezes, algumas pessoas ultrapassam um pouco os limites mas, em sua grande maioria os participantes prestigiam esses eventos com seus familiares, levam os filhos e fazem uma confraternização geral, entre jipeiros e com a natureza.
Alyson ainda conta, que na região sul de Santa Catarina, dez jipe clubes tem por hábito, sempre após cada evento, realizar uma reunião onde são estabelecidos alguns critérios para melhorar a qualidade dos mesmos. Com isso, já foi possível padronizar a ficha de inscrição, o modelo de regulamento, os critérios de horário de saída dos eventos, a ordem dos veículos com tração 4x4 e sem tração.Tudo é elaborado com a aprovação de todos os presidentes de jipe clubes que participam da reunião.
"Queremos melhorar nossos eventos, sua qualidade, pensando na preservação do meio ambiente, no respeito com todos os participantes e donos de terrenos que gentilmente nos autorizam passar pelos mesmos. Por isso, criamos regras para que cada jeepeiro, tenha responsabilidade sobre seus atos, quando vai participar de uma trilha, afinal, as famílias participam junto, os filhos acompanham e temos que dar exemplo. Deve haver um equilíbrio entre 4x4, preservação natureza e homem."

Copyright © PuraLama - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por:
Zaib Tecnologia